Radio Caxias - Negociação   10/07/2018 | 15h11     Atualizado em 10/07/2018 | 17h36

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Campanha salarial dos metalúrgicos tem nova reunião com debates econômicos e sociais

Foto: Adriana Miorelli.
Foto: Adriana Miorelli.

Os sindicatos dos Metalúrgicos e das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico (Simecs) de Caxias do Sul voltaram a se reunir pela campanha salarial do setor. O encontro não resultou em evoluções quanto ao reajuste salarial. A representatividade dos trabalhadores pede percentual de 7% no dissídio, enquanto que a entidade empresarial propõe o índice de 2%. O Simecs argumenta que a proposição foi feita com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), fixado em 1,76%.

 

Já o Sindicato dos Trabalhadores defende que o custo de vida na Região faz com que o aumento tenha de ser maior. Este, que foi o quinto encontro de tratativas, ocorreu na tarde desta segunda-feira (09). Um novo debate das questões em aberto já está marcado para 15h do dia 16 deste mês.

 

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Claudecir Monsani, destaca que foram levados para a negociação os altos índices de inflação. Ele salienta o compromisso de representação da classe. Frisa que a proposta patronal de 2% não deve ser aceita pela categoria. Expõe que se espera chegar a um termo, na avaliação dele, menos pior, para que este seja levado para a avaliação em assembleia.

 

Já o presidente do Simecs, Reomar Slaviero, pontua que a proposta de reajuste que foi apresentada é condizente com o panorama atual. Comenta que o setor foi extremamente afetado pela crise e que apenas inicia um processo de recuperação. Ainda afirma que não se pode aceitar um termo que as empresas não sejam capazes de cumprir.

 

Além do dissídio, a reunião também serviu para debates de cláusulas sociais. Avanços teriam sido obtidos com relação à pauta. Entre as questões discutidas estão a gratuidade de transporte e creches para filhos dos funcionários nas proximidades dos locais de trabalho, além da proibição de gestantes atuarem em áreas insalubres.

Comentários

Carregar mais comentários Comentar notícia