Radio Caxias - Polícia   10/10/2018 | 12h39     Atualizado em 10/10/2018 | 12h40

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Polícia Civil aguarda necropsia para saber causa da morte de mulher encontrada em Galópolis

Local onde o corpo foi encontrado. Foto: Polícia Civil/Divulgação
Local onde o corpo foi encontrado. Foto: Polícia Civil/Divulgação

O corpo de Maria Helena Rodrigues, 41 anos, foi encontrado no início da tarde desta terça-feira (09) em avançado estado de decomposição, no bairro de Galópolis, em Caxias do Sul. Apenas o laudo de necropsia poderá indicar a causa da morte da vítima, que estava desaparecida desde o dia 27 de setembro.

O cadáver foi localizado em um matagal nas proximidades da Rua Angelo Basso, e foi reconhecido por familiares que foram até o Departamento Médico Legal.

A motivação e autoria da morte de Maria Helena ainda é um mistério para a Polícia Civil, que não descarta nenhuma possibilidade. Os policiais tentam entender a dinâmica dos fatos, desde a saída de Maria Helena de seu apartamento na Rua Visconde de Pelotas, e o caminho que percorreu, até ser encontrada morta.

Em princípio, ela teria ido até o bairro Fátima, onde iria olhar uma casa para alugar. O último contato que teve com a família foi através do WhatsApp, com um dos filhos, quando teria dito que estava com uma amiga, no Santa Fé, olhando alguns perfumes, e confirmou que iria ver uma casa, posteriormente.

Porém, segundo um dos filhos da vítima, ela não tinha amigas naquela região da cidade. Além disso, não entendeu o motivo da mãe procurar uma casa naquele bairro, se em menos de um mês tinham ido residir em um apartamento na Rua Visconde de Pelotas.

Os familiares revelaram ainda que a mudança de residência aconteceu porque Maria Helena havia se separado do companheiro, com quem morou nos últimos dois anos. De acordo com o relato, o relacionamento do casal era conturbado, e o ex-companheiro não aceitava a separação. Ele foi ouvido pelos agentes da DPHPP, e revelou que após a separação não teve mais contato com Maria Helena.

A Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP) seguirá investigando o caso.

Este é o 71º caso de homicídio neste ano, com 83 mortes. Ao todo, são 93 vítimas de crimes contra a vida na cidade em 2018.

Comentários

Carregar mais comentários Comentar notícia