Spaço FM - Farroupilha   17/07/2017 | 10h05     Atualizado em 17/07/2017 | 10h28

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

João Fernando Silvestrin, sobre volta de Lula à presidência: “Seria uma graça de Deus”

Empresário declarou que base para condenação de Lula foi fraca

João Fernando Silvestrin afirma que base para sentença de Lula é fraca
João Fernando Silvestrin afirma que base para sentença de Lula é fraca
Para o empresário e ex-presidente municipal do Partido dos Trabalhadores, João Fernando Silvestrin, nem Sérgio Moro se convenceu da sentença que impôs a Luís Inácio Lula da Silva. O ex-presidente da República foi condenado há 9 anos de prisão, mas responderá em liberdade até segunda instância. Silvestrin opina que a sentença proferida mostra que Lula é inocente. “Eu não conheço uma sentença condenatória de mais de 8 anos que o juiz não peça a reclusão. A base da sentença nem Moro se convenceu, é fraca”, declara o empresário.

Silvestrin ainda comenta a relação dos governos petistas com casos de corrupção, com alguns de seus integrantes presos ou investigados. Na sua avaliação, no governo Lula, o presidente deu mais autonomia para Polícia Federal, Ministério Público e Justiça, o suficiente para que até o governo fosse investigado. No governo Temer, está acontecendo o contrário, o que Silvestrin chama de “concertação”: “Ele está concertando para governar do seu jeito. Então trocou ministro da Justiça, onde foi trocado o comando da Polícia Federal. No Ministério Público, não são mais eles que se escolhem mais, portanto fica ‘dócil’. O próprio Supremo Tribunal Federal já está sendo alinhado, o que também acontece no Congresso. Isso é alinhar todos os poderes para não investigar, ou só investigar aquilo que não interessa, isso existia e vai existir muito agora”. “Não quer dizer que hoje não tenha corrupção, não é mais investigado e divulgado, como foi na época em que Lula e Dilma deram autonomia para as instituições”.

Falando ainda sobre a época do governo Lula, Silvestrin relembra como um período onde “a base da pirâmide cresceu”, onde houve desenvolvimento, baixo desemprego e bons anos para todos. “Agora é um governo que está alinhado com o topo da pirâmide, e as ações deles, as reformas, é para beneficiar o topo da pirâmide, a base será totalmente esquecida”, completa. Sobre a volta de Lula para a presidência em 2018, Silvestrin é enfático: “Seria uma graça de Deus para a base da pirâmide, eu gostaria muito”.

Comentários

Carregar mais comentários Comentar notícia